Nossa História  | Clipping  |  Visite nosso Facebook


Hackamore Rio de Janeiro

“Ela é carioca!”




Perfil da marca

A marca é a pura tradução do despojado requinte carioca e tem feito sua fama com suas modelagens confortáveis, aliadas à sofisticação nos acessórios femininos e masculinos e ainda com muita história por trás. O diferencial dos sapatos da Hackamore é a concepção de qualidade e conforto. A palmilha , o salto, desenhamos cada peca pensando em como aliar o Maximo possível do conforto para os calçados com os melhores materiais e Mao de obra possíveis e assim os modelos, aliados à despojada sofisticação carioca, nascem. 


A gestão

Valéria Saboya - empresária comandou a marca Soft Shoes, desenvolvida por ela. Atualmente, assina as criações voltadas para o público feminino da Hackamore.

Maria do Carmo Joviano Galvão – Empresária e responsável comercial da marca Hackamore, com larga experiência de mercado.

Aloísio Teixeira - Responsável pelas criações do masculino da Hackamore, Aloísio contabiliza em sua trajetória a co-criação da Companhia dos Pés, da Soft Shoes (Rio), ajudou a montar a Cat Shoes e a ainda a baiana Magic Shoes. Desenvolver com design confortável garante que o Brasil, um dos 2 melhores fabricantes do mundo tenha sapatos com a sofisticação e o charme cariocas, sempre aliado ao bom atendimento.


A História da marca

Desde que encontrou Mauro Taubman, criador da grife Company, por acaso na Garcia D’Ávila, já se passaram muitos anos. De um bate-papo descontraído, o carioca Aloísio Teixeira, descobriu um ofício que abraçaria com tanta vontade e talento que transformaria a percepção dos cariocas sobre o que deveriam usar nos pés no fim dos anos 70/começo dos anos 80. Surgia naquele momento uma experiência que culminaria anos e anos depois na criação da Hackamore Rio de Janeiro, grife de sapatos predileta de personalidades, que nasceu numa conversa de bar na Gávea, na Zona Sul do Rio.

O começo, na CIA dos PÉS, começara meio por acaso, meio despretensiosamente. A parceria com Taubman, amigo de um amigo, despertou em Aloísio a vontade de desenvolver uma linha de sapatos exclusivamente brasileiros. Até então, não havia ninguém no país que desenhasse uma linha própria, de acordo com o idealizador da Hackamore. A única opção era comprar em grandes redes, importar ou sob medida. Para saber exatamente onde estava metendo as mãos, ou os pés, Aloísio foi buscar o conhecimento que ainda não tinha com um sapateiro tradicional de Copacabana, observando e conversando com Mário, um senhorzinho italiano então com 60 anos, que fazia sapatos sob medida para a tradicional classe média alta da Zona Sul.

Assim, junto com Taubman e Luiz de Freitas, Aloísio e mais um sócio lançaram a primeira coleção de sapatos para a Company. Logo depois, Taubman apresentou o top sider, febre dos anos 1980. Dono de um sorriso largo, bom de papo, tipicamente carioca, Aloísio sabia o que queria. E o que não queria. Por isso, saiu da sociedade para lançar vôo solo.

- Muitas vezes, tirava o sapato dos pés das pessoas e levava para ver como eles eram feitos. Aliás, faço isso até hoje quando encontro algo realmente diferente. Quando saí da sociedade, fui fazer top siders para outro público. Em pouco tempo, a carreira decolou. Não demorou a receber uma encomenda da Elle et Lui, empresa que o chamou para confeccionar 10 mil pares de topsiders. Logo depois, foi convidado para desenvolver produtos para a Samello com apoio do Curtume Carioca. A proposta foi aceita prontamente. A mudança não assustava. Por isso, pouco depois, topou a empreitada de ir para Salvador para abrir uma loja na recém-criada expansão do Shopping Iguatemi, na Bahia. Lançou a Magic Shoes, que caiu no gosto dos moradores de Salvador. 

Conhecido pela sua camaradagem e boa fé, Aloísio nunca teve medo de assumir o papel de professor, numa atividade que se adaptou e se destacou rapidamente. Nesta época, um amigo de Brasília o chamou para abrir uma loja no Distrito Federal. Sem preocupação, montou o negócio todo para esse amigo. A conhecida Cat Shoes.

O talento reconhecido levou Aloísio a se embrenhar novamente no mundo dos sapatos. Em 2005, sentado com amigos que não via há anos no Hipódromo da Gávea, foi incentivado por um desafio que não podia recusar: fazer algo tão bonito quanto os sapatos italianos e tão confortáveis quanto os tênis, que acabou servindo de semente para idealizar o novo negócio. A princípio, pensou que era só conversa de bar. Mas estava errado. Como já havia conseguido o modelo ideal de sapato social, tão procurado pelos amigos, Aloísio decidiu seguir em frente e acabou lançando a marca na Chocolate do Fashion Mall. No dia do lançamento, coisa raríssima de acontecer, venderam 150 pares de sapatos. Eram variações de modelos criados para o “Clube do Chulé”, fundado naquele dia no bar na Gávea.

O sucesso fez com que Aloísio formatasse o projeto Hackamore Rio de Janeiro. Depois de várias tentativas, negadas pelo INPI, o nome surgiu pelo amor aos cavalos. Hackamore é um dos instrumentos que permite que o cavaleiro dê o comando ao seu animal. Nesse período também conheceu Mário Soares, amigo de infância da sogra, ex-presidente da Cartier, e que acrescentou o nome "Rio de Janeiro" à marca:

- Dentre as varias observações que lapidaram o projeto, ele destacou para começar que marca tem que ter endereço. Quando se fala em Cartier, por exemplo, todo mundo sabe que o endereço é Paris. Fendi Roma. Como os meus sapatos têm o jeito de ser do carioca, incluímos o nome da cidade de São Sebastião ao nome da grife. O nome torna-se um objeto de desejo. 

A primeira loja da Hackamore foi aberta em São Conrado, Zona Sul do Rio, em 2008. Depois, Aloísio e seus então sócios decidiram seguir caminhos diferentes. Aloísio e Valéria, sua mulher, que já era especializada em sapatos femininos, mudaram a Hackamore para o Shopping da Gávea, loja essa aonde entrou de sócia a Maria do Carmo Gusmão, agregando valor com a sua experiência de anos de supervisão e preparação em vendedores. Decisão acertadíssima.

Hoje, a Hackamore Rio de Janeiro tem clientes fieis que buscam a união de conforto, qualidade e beleza com bom atendimento. Aloísio também está investindo todas as fichas na sustentabilidade, como reflete a sua loja. Simples, chique e bonita feita com madeira reciclada. Amante da natureza, ele também tem uma linha de sapatos desenvolvida com cola ecológica. E sua intenção é que sua empresa entre no seleto grupo de Carbono Zero. 

- Estou investindo na sustentabilidade porque acredito realmente. Procuro o uso de materiais dessa natureza aos poucos. Já tive aqui uma linha de sapatos de couro 100% natural. O problema é que só havia uma cor, o off white, agora existem mais cores. A cola ecológica também é um caminho. Mas ainda existem problemas com ela. Estou em busca, sem volta, desse caminho sustentável. Há um tempo, uma cliente veio aqui com um sapato com a palmilha descolada (problema da cola ecológica). Na mesma hora, ofereci outro. Mas ela gostava tanto do sapato que pediu para ficar com ele por mais tempo, dando um jeitinho. Meses depois, voltou com o par e eu troquei.

A Hackamore Rio de Janeiro não alia apenas sapatos confortáveis e de qualidade. Um dos lemas de Aloísio são sapatos atemporais, que possam ser usados por muito tempo, atravessando modismos e estações:

- Dentro dessa filosofia, nossos sapatos têm o estilo de vida carioca. Somos do Rio de Janeiro, temos orgulho disso, embora 20% de nossos clientes são de fora do Rio. A maioria é de São Paulo.

A Hackamore cresce de vento em popa. Não vê crise pela frente. Hoje vende bem mais sapatos do que comercializava no dia em que abriu na Gávea. Agora, depois da abertura em Ipanema, a intenção é abrir mais lojas no Rio: Leblon e Barra.

- A melhores indústrias de calçados do mundo são a brasileira e a italiana, que ainda está na nossa frente, pela forma com que desenvolve o couro. Mas estamos aprendendo essa formula. É coisa de cozinheira, sabe? Eles ensinam tudo, mas temos que aprender a dar o ponto certo.

Como a Hackamore não segue modismos, as novidades ficam por conta das cores. Agora, há na loja opções de sapatos masculinos coloridos - "homem, em geral, não gosta de moda". 

- Na Europa, todo mundo usa pares coloridos. Aqui, se deixar, os homens compram dois sapatos iguais para não ter trabalho de voltar à loja – diverte-se o empresário Aloisio Teixeira .



Shopping da Gávea . 3º piso +55 21 2249 3595
Ipanema . Visconde de Pirajá 444/117 +55 21 2523 3840